0% F H A B C D G E A B C F D G H E
[Indústria da Moda] Manchete da página

Indústria da Moda

O preço de uma roupa
não é apenas o que você paga.

[Indústria da Moda] Manchete da página

Em apenas uma peça pode estar incluso: milhares de quilômetros de transporte aéreo, marítimo e terrestre (gerando toneladas de dióxido de carbono e nitrogênio), milhares de litros de água necessários para a produção e cultivo da matéria-prima, um rastro de poluição por uso de substâncias químicas, e ainda, uma cadeia inteira de exploração de trabalhadores.

A indústria da moda é uma das indústrias mais poluentes do mundo.

A indústria da moda é uma das indústrias mais poluentes do mundo, uma das maiores consumidoras de água e energia do planeta, e uma indústria que carece de soluções de descarte de seus produtos usados. Ou seja, uma indústria que precisa de atenção e evolução.

[Indústria da Moda] Seção da página

Água e
Químicos.

A indústria da moda é a segunda indústria que mais consome e polui água no mundo.

Apenas na China mais de 3 bilhões de toneladas de água contaminada são despejadas nos rios e mares todos os anos nos processos de produção. O cultivo de algodão e outras matérias-primas também é um grande problema, já que são necessárias grandes quantidades de água para tal e em muitos casos, grandes quantidades de químicos são usados no cultivo e acabam poluindo solo, lençóis freáticos, rios e mares.

[Indústria da Moda] Seção da página

Emissões
de C02.

Apenas em 2017, 1,3 milhões de toneladas de tecidos foram
importados para o Brasil.
Para cada peça trazida estima-se a emissão de 1 Kg de C02 a mais na atmosfera.
Fazer as contas do aumento de C02 chega a não caber na calculadora.
Todos nós já sabemos dos perigos do aquecimento global e seu impacto na vida dos mares, cultivo de alimento e diversas outras crises que podem vir a ocorrer se continuarmos neste caminho de produção.

[Indústria da Moda] Seção da página

Descarte.

Cerca de 85% das peças usadas terminam em aterros, o que nos dá incríveis 10.5 milhões de toneladas anuais apenas na América do Norte. Os números não são exatos no Brasil mas as projeções são assustadoras também.

Desde 2000, a produção global de peças mais do que dobrou, e o consumidor médio passou a comprar cerca de 60% a mais de roupas por ano. Isso ao mesmo tempo em que a permanência de uma peça no guarda-roupa, caiu pela metade, antes de ser descartada.

Todos esses pontos reforçam a responsabilidade que temos, sobre as novas peças de roupa que colocamos no mundo.

Pense na roupa como

um investimento.

Comprando uma peça com mais qualidade, o número de vezes que essa peça poderá ser usada chega a ser 4 ou 5 vezes maior do que
peças de tecidos e mão-de-obra de baixa qualidade.

Inclusive o valor investido dividido pelo número de vezes que você usou a peça é consideravelmente menor.

O meio ambiente agradece e seu bolso também.